16 de ago de 2008

Savatage - The Wake of Magellan

Aos poucos vou organizando a bagunça. Tentarei manter um link para download de álbuns que aprecio (um por vez) na coluna da direita, acima dos links para outros blogs. Discorrerei sobre o álbum em um post, e clicando na imagem da capa o usuário será encaminhado a uma página de download, até que eu resolva alterar o álbum, e assim sucessivamente. Para começar com chave de ouro, o primeiro álbum que recomendo é "The Wake of Magellan" do Savatage.



"TWoM" é um álbum conceitual que gira em torno de dois fatos verídicos. Um deles é o chamado incidente de Maersk Dubai. O fato ocorreu menos de um ano antes de o álbum ser lançado, no navio cargueiro tailandês de nome Maersk Dubai. Ao descobrir imigrantes ilegais a bordo (mais precisamente 3, em duas ocasiões diferentes), o capitão do navio lança-os ao mar, amparados apenas por pequenas embarcações improvisadas, que mostram-se ineficientes e logo se quebram, a mais de 70 quilômetros da costa. Além das muitíssimo bem escritas letras, o encarte do álbum é cheio de pura poesia. O dilema de um dos tripulantes, atormentado, pensando se deve ou não se impor ao capitão, contém uma das mais belas passagens que já li:

"to stand up to the captain
and say this thing it cannot be
but there is nothing closer to god on earth
than a captain on the sea"


Um quarto imigrante também foi encontrado. Entretando, foi mantido escondido por alguns membros da tripulação, até que o navio aportasse. Os três que foram largados ao mar, nunca mais foram vistos.

O outro fato que inspirou o conceito desse grande álbum foi o assassinato da repóter irlandesa Veronica Guerin, encomendado por figuras do crime, alvos de suas reportagens.

Os eventos entrelaçam-se com a história de um navegador espanhol, que decide guiar sua nau até os confins do oceano e acabar com a própria vida; entretanto, um evento faz com que ele mude de idéia.

"TWoM" é um daqueles álbuns que merece que o ouvinte volte todas suas atenções para suas palavras, e para suas melodias. É música de primeira.

Um comentário:

Rodrigo Schmidt disse...

Cara, sempre achei que as letras tivessem a ver com a viagem de Magalhães mesmo, putz, como sou ignorante.